Procrastinação: um depois que nunca chega

4 jun , 2018 Psicologia

A procrastinação é um termo amplamente difundido. Com certeza você já ouviu falar, já leu em algum lugar, sabe o que é  ou até mesmo tem o costume de adiar tarefas sem motivo consistente ou por motivos minimamente questionáveis.

Ficar sempre deixando para depois, adiando e esperando o momento certo pode fazer com que fiquemos paralisados diante de tudo que precisamos fazer. Essa paralisação que nos envolve começa a construir uma atmosfera bastante desestimulante onde nos sentimos incapazes de agir, deixamos tudo de lado e então…. olá estagnaçãoAo atingir esse ponto, o estresse e a cobrança passam a ser os maiores impulsionadores dos nossos atos e a tomada de iniciativa fica algo cada vez mais pesado e custoso.

Nessa dinâmica desenvolvemos um comportamento autossabotador, que não é a mesma coisa que procrastinação mas guarda uma estreita relação. Para cada ‘amanhã eu faço’, ‘depois eu vejo isso’ ou ‘primeiro vou atender a essa vontade repentina de arrumar o guarda-roupa’, também existe  uma desculpa, uma desistência, um motivo banal e uma distração inoportuna.

Aqui é aonde costumamos mais nos incomodar e querer desistir pois as conseqüências  da procrastinação começam a nos sufocar: o tempo passa, os prazos apertam e chega uma hora que não podemos mais adiar! A procrastinação de onde decorre esse estado é apenas uma parte da situação e concentrarmo-nos nela é uma atitude necessária mas ainda é superficial para resolver esse problema . A postura de uma pessoa que procrastina pode estar apontando questões mais profundas de sua personalidade.

Deixar sempre para depois pode ser reflexo de um comportamento extremamente autocrítico e censurador, onde nada nunca estará bom o suficiente. Você já havia pensado a procrastinação por esse lado? Ou pode também estar baseada numa rebeldia dissimulada que, insatisfeita com as obrigações e se recusando a fazer as coisas que lhe pedem, aparece como procrastinação. Você se identifica com algum desses dois casos? Faça uma reflexão e analise o modo como você se relaciona e lida com suas obrigações e necessidades.

Esses exemplos que citei são apenas dois modos particulares que a procrastinação pode surgir, cada pessoa teria, dentro da própria existência, justificativas para fazer da procrastinação um atalho, um caminho para evitar um problema maior. Insatisfação, pouca fé em si mesmo, fuga, medos  e etc seriam mais exemplos que eu poderia usar.

De qualquer modo, assim como a autocrítica paralisante e a rebeldia, o caminho alternativo traçado por alguém não é reajustado com dicas para uma boa gestão do tempo, organização do ambiente de trabalho/estudo ou com a sua audiência fidedigna aquele influenciador digital que sempre tem dicas EXTRAORDINÁRIAS pra você alcançar níveis SUPREMOS  e conquistar de vez a FELICIDADE. Aí eles lotam a sua caixa de e-mail, você investe seu tempo assistindo vídeos ou lendo os e-books mas a mudança real nunca vem.

Se a sua procrastinação estiver relacionada a algum aspecto mais pessoal e interno, se for apenas a ponta do iceberg do modo como sua personalidade foi estruturada, é necessário investir  num trabalho que lida diretamente com suas questões subjetivas.

É nessa hora que a psicoterapia pode te ajudar a entender e transformar esse modo de ser. Os canais no youtube, perfis no instagram e textos em blogs devem cumprir sua função de informar e dar apoio em alguns pontos mas a ação desses meios é limitada e você que consome precisa saber disso para não nutrir falsas expectativas e manter um comportamento que te aprisiona. Esse texto que escrevo, e todos os outros, não substituem o trabalho de imersão em si mesmo que a psicoterapia promove.

No próximo post, trarei três dicas para você SUPERAR o comportamento procrastinador.

Me despeço aqui sem promessas de textos que vão eliminar de vez a procrastinação mas na esperança de que com esse texto e  com os outros posts, você entenda  que a psicoterapia é o caminho que te deixa mais perto de conseguir uma maior qualidade para a sua vida.

Com carinho,


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *