Qual a sua forma de amar?

18 ago , 2020 Psicologia,Relacionamento Amoroso

Você conhece a Teoria do Apego? Não?! Ela é uma teoria psicológica desenvolvida por John Bowlby acerca das forma em que estabelecemos relacionamentos amorosos. Esse estudo mostra que existem três tipos de vínculos. Quer conhecer quais são? Vem comigo!

A Teoria do Apego diz que a forma como estabelecemos nossos relacionamentos amorosos na vida adulta é muito parecida com a maneira que nos apegamos e amamos quando criança. Mas esse texto não é uma investigação da sua infância. Eu irei compartilhar como você os tipos de apego estudados e vou te ajudar a identificar a forma de amar mais saudável.

Os três tipos de apego

Viver um relacionamento amoroso é algo muito desejado por uma parte das pessoas. Ter um par romântico – seja num namoro, casamento ou qualquer outro formato de cumplicidade e parceria, é escolher alguém para dividir a vida e quando se experimenta esse tipo de intimidade acaba acontecendo uma espécie de mútua influência de regulação do bem-estar emocional: cada uma com a sua maneira de amar acaba influenciando na qualidade de vida emocional do parceiro. Os três principais estilos de apego são: ansioso, evitante e seguro.  Com qual desses você acha que se identifica? Vou compartilhar com você como dois estudiosos da área, Amir Levine e Rachel Heller, entendem as formas de apego. Continue lendo e conheça um pouco sobre cada uma delas.

Ansioso

Os relacionamentos tendem a consumir uma parte considerável de sua energia emocional. Você vivencia um monte de emoções negativas dentro do relacionamento e facilmente fica perturbado. Como consequência, tende a desabafar e dizer coisas de que se arrepende  depois.

Evitante

É muito importante para você manter a sua independência e sua autossuficiência e, com frequência, prefere a autonomia a relacionamentos íntimos. Mesmo que queira ter proximidade com outros, você fica pouco à vontade com a proximidade excessiva e tende a manter o seu parceiro distante.

Seguro

Você gosta de ter intimidade sem ficar excessivamente preocupado como os seus relacionamentos . Leva as coisas tranquilamente no que se refere a romances e não fica facilmente perturbado com assuntos de relacionamento.

As maiores características do Apego Seguro

A forma de apego segura é a mais indicada pelos estudiosos como a maneira saudável de viver romances. Se você se percebe como Apego Seguro, parabéns! Se você identificou como tendo Apego Ansioso ou Evitante, os especialistas nesta áreas orientam que você procure se relacionar com pessoas do estilo de Apego Seguro. Sabe por quê? Veja as maiores características das pessoas com estilo de Apego Seguro:

❤São grandes apaziguadores de conflitos

❤São mentalmente flexíveis

❤São comunicadores efetivos

❤São avessos a joguinhos

❤Ficam confortáveis com a proximidade

❤São inclinados a considerar sexo e intimidade como a mesma coisa

❤São inclinados a tratar seus parceiros como realeza

❤São seguros de seu poder de melhorar o relacionamento e

❤Sentem-se responsáveis pelo bem-estar de seus parceiros

A importância do autoconhecimento para ter uma vida amorosa feliz

A chave para achar um parceiro que possa atender as suas necessidades é conhecer quais são as suas necessidades de intimidade, disponibilidade e segurança em um relacionamento – e acreditar que elas são legítimas. Em vez de pensar como você pode mudar a si mesmo para agradar o seu parceiro, pense: essa pessoa pode proporcionar o que eu preciso para ser feliz?

Apegados – Um Guia Prático e Agradável pata Estabelecer Relacionamentos Românticos Recompensadores

Gostou desse texto? Eu escrevi todo esse conteúdo baseado num livro que li chamado “Apegados” de autoria de Amir Levine e Rachel Heller. Caso tenha se interessado, você pode ler! O livro tem exemplos de casais, testes, dicas e questionários para te ajudar a ter uma vida amorosa mais saudável. A linguagem é acessível, não precisa ser da área psi para entender. A minha sugestão é que você tenha senso crítico ao ler e tenha cuidado também com eventuais generalizações; é importante sempre levar em conta o contexto social, cultural e subjetivo no qual vamos construindo o nosso jeito de ser. Enquanto profissional eu tenho algumas ressalvas a determinados argumentos mas de maneira geral é uma boa leitura para auxiliar no autoconhecimento.

Com carinho,


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *